quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Fase de testes


Ainda em fase de testes, nosso Blog já está bombando.

Já temos uma seguidora, minha filha, que emitiu comentário favorável ao Blog. É um assombro como estamos adquirindo esta enorme penetração em tão pouco tempo.

Mas, deixando a galhofa de lado, só havia avisado para ela, mas era para manter sigilo.....

Ontem consegui, pelas mãos da Bárbara, fazer diversas modificações e hoje consegui mudar a cor do título.

Experiência é para isto mesmo.

Já sei que posso ir alterando a foto do cabeçalho, o que torna o Blog mais interessante.

Nesta primeira é uma homenagem ao meu filho Bruno, que foi fundamental na conquista que descrevi ontem.


Hoje vou contar o que é o nosso desafio dos 1.000 e dos 500 Km em provas oficiais.

No ano passado, um amigão ultramaratonista ao me encontrar na Maratona de Curitiba me disse que estava completando 1.000 Km no meio daquela prova naquele ano.

Fiquei impressionado. Pouco depois soube que a marca contabilizava uma peregrinação de mais de 400 Km. De qualquer forma um feito notável, mas eu queria fazer tudo em corridas.

O primeiro passo teria que ser completar os 217 Km da BR 135.

Com esta quilometragem no cofrinho parti para a realização de todas as maratonas e ultras de 24 horas, mais algumas meia maratonas e provas menores.

Gente, 1.000 Km é o equivalente a fazer 24 maratonas em um ano, ou seja, uma a cada 15 dias.

Ainda no embalo da BR saí correndo de tudo, mas o corpo começou a sentir demais. Dores por todo lado, mas que eram superadas com algum esforço, mas superadas.

O primeiro sinal de estafa surgiu já na Maratona de Porto Alegre, onde tive que caminhar na parte final, apesar do percurso ser excelente.

Dali vieram os dois avisos.

Maratona de São Paulo com vômitos e caimbras como nunca havia sentido. Achei que teria que ir para um hospital. Só melhorei lá pela 21 hs, quando voltei a rir das palhaçadas do meu amigo e parceiro de corridas Raul.

Ocorre que, no fim de semana seguinte tive que correr a Maratona do Rio. Não treinei mais e fiz a prova só na cabeça. Cheguei relativamente bem, mas, após cruzar a chegada, não conseguia ficar de pé sem tonturas. Depois de algumas tentativas tive que ser levado ao pronto-socoro da prova e ficar em observação.

Após estes avisos do corpo, resolvi apenas correr as provas em que já estava inscrito, sem treinar. Para quem entende desta coisa, sabe que treinar é que é o barato e as provas são encontros com amigos e avaliação pessoal do seu treino.

Vencidas as provas em que já me inscrevera dei um tempo total. Nem treino, nem musculação, nadinha.

Foi um período horrível, mas hoje sei que necessário.

Tomei muito Voltaren 75 e, quando muito, fazia tudo o que precisava sem carro, caminhando.

As dores sumiram e voltei a treinar com calma e sem preocupação com tempo.

Minha meta eram os 1.000 Km, dentro do tempo de cada prova, o que cumpro com facilidade.

A minha melhora foi tão grande que, neste fim de semana, fiz uma maratona toda nas areias de Bertioga, voltei revesando com o Raul na direção e, no dia seguinte, caminhava como se nada tivesse corrido.

Agora voltei a treinar como antes, mas consciente de que, como todos, tenho limites que independem de garra, vontade ou superação. O corpo se protege impedindo que o atleta continue.

Para cumprir minha meta estou com todos os fins de semana com provas até o fim de novembro, quando pretendo fechar os 1.000 Km nos 63 Km de lá.

Neste meio ainda temos duas maratonas de Foz e Curitiba e uma tal de Praias e Trilhas, que está me deixando sem dormir quase como a BR.

Trata-se de uma prova em que corremos duas maratonas em dias seguidos, na areia fofa e nas trilhas e costões das montanhas. Nesta prova quem faz uma maratona em 3 horas completa a primeira em quase 5 e a segunda em cerca de seis. O tempo máximo para cada uma é de 10hs e 30'. Acho que consigo, mas não posso me machucar, pois aí estraga tudo o que ainda tenho pela frente. Já estou com 678 Km e ainda falta muito chão...

O Raul, mais maluco que eu, resolveu encarar 500 Km sem ter feito (oficialmente, já que foi meu pacer) a BR. Digo que seu esforço é maior, pois não tem o tempo que eu tenho para treinar. E é um pouquinho preguiçoso, mas promete que para a BR vai se dedicar de corpo e alma. Corpo tem bastante, mas a alma é bem pequenina.....

Por hoje é só.

O teste do Blog continua, agradecendo as inúmeras participações da minha filha, o que prova que este bagulho é o mais lido dos últimos séculos.

Um ultrabraço para os Manés e um ultrabeijo para minhas princesas.

Seabra.

Um comentário:

katiaseabra disse...

Queria ter um décimo dessa garra.
E eu mantive o segredo, viu pai?! Ou era para eu manter segredo até para vc??? kkkkkkkk
Beijão,